Arquivo de Notícias



Foram anunciados na manhã desta quarta-feira, 23, doze dos cem filmes que serão exibidos no Festival Internacional de Cinema de Toronto. The Guilty, estrelado por Jake Gyllenhaal e dirigido por Antoine Fuqua fará sua estreia no festival que será realizado de 9 a 18 de setembro.

Para essa edição, o festival implantará uma espécie de modelo híbrido trazendo a sua plataforma de cinema digital para receber projeções de membros da imprensa e executivos dos estúdios, bem como acolher conferências de imprensa virtuais e outros eventos. Também retornará às exibições presenciais em alguns de seus locais mais importantes, incluindo o Bell Lightbox, bem como Roy Thomson Hall e Princess of Wales Theatre.

Adquirido pela Netflix, The Guilty contará a história do atendente Joe Bayler (interpretado por Jake) quando tenta salvar pelo telefone uma pessoa que está em perigo. Nic Pizzolatto (True Detective) escreveu o suspense dramático baseado no drama dinamarquês lançado em 2018. Peter Sarsgaard, Riley Keough, Byron Bowers, Da’Vine Joy Randolph, David Castañeda, Christina Vidal, Paul Dano, Ethan Hawke, Adrian Martinez, Bill Burr, Beau Knapp e Edi Patterson integram o elenco.


Tradução & Adaptação: Equipe Jake Gyllenhaal Brasil

Jake Gyllenhaal e Vanessa Kirby foram definidos para liderar o thriller de sobrevivência Suddenly. O filme será o segundo na direção do aclamado roteirista Thomas Bidegain, conhecido por roteirizar filmes como O Profeta, Ferrugem e Osso e Dheepan: O Refúgio, que ganhou a Palma de Ouro. Bidegain também está fazendo o roteiro do projeto em inglês. A história segue um casal que ficou preso em uma ilha no Atlântico Sul e deve lutar pela sobrevivência quando essa jornada de sonho se torna um pesadelo.

Os produtores são Alain Attal e Gyllenhaal e Riva Marker pela Nine Stories. Studiocanal está financiando. Artemis Productions (Bélgica) e True North Productions (Islândia) irão co-produzir.

O roteirista e diretor Thomas Bidegain comentou: “Com Suddenly, quis analisar a dinâmica profunda de uma relação despojada de todos os artifícios do mundo moderno, ao enfrentar situações de vida e morte em um ambiente maravilhoso, mas hostil. Jake e Vanessa são um casal dos sonhos que elevam o filme a uma dimensão inteiramente nova e também são os parceiros dos sonhos para fazer o filme, junto com nossos amigos do Studiocanal.”

A CEO da Studiocanal, Anna Marsh, acrescentou: “Estamos entusiasmados por trabalhar com um grupo tão incrível de talentos criativos que se reuniram para Suddenly. Ao longo dos anos, tivemos grandes sucessos junto com Alain Attal, um produtor de gosto impecável. No momento em que ele veio até nós com esta história convincente, nós imediatamente acreditamos em seu grande potencial mundial. Toda a equipe do Studiocanal é fã do trabalho de Thomas como escritor e cineasta e mal podemos esperar para ver dois de nossos atores favoritos, Jake Gyllenhaal e Vanessa Kirby, trazer esses personagens profundos, mas complexos, para a vida juntos na tela. Queria trabalhar com a Nine Stories há algum tempo, não poderia estar mais feliz que Alain, Jake e Riva fazem parte deste filme.”


Fonte: Deadline
Tradução & Adaptação: Equipe Jake Gyllenhaal Brasil

Barry Levinson vai dirigir Francis and The Godfather, com Oscar Isaac estrelando como Francis Coppola e Jake Gyllenhaal como Robert Evans em um drama sobre as batalhas lendárias e malucas que ocorreram durante a produção do clássico O Poderoso Chefão de 1972. O filme é baseado em um roteiro da Black List escrito por Andrew Farotte que foi reconstruído por Levinson. Mike Marcus, Doug Mankoff e Andrew Spaulding da Echo Lake Entertainment estão produzindo junto com Kevin Turen, Jon Levine e Jason Sosnoff da Baltimore Pictures. Endeavor Content é responsável por lidar com os direitos mundiais do filme junto com a FilmNation.

Enquanto O Poderoso Chefão é considerado um dos melhores filmes americanos e um símbolo da era 70 do autor, chegar até isso não foi tarefa fácil. Coppola tinha 31 anos na época, determinado a convencer Evans e o estúdio a deixarem ele filmar um filme caro em Nova York, que se passava em uma época da história que mais tarde se tornaria um grande sucesso de vendas. Isso porque o roteiro original de Mario Puzo se passava em Kansas City. Dentre outros debates, estava a ideia de apostar no Marlon Brando, uma figura eclética que não participava de um filme de sucesso fazia anos, para interpretar o mafioso patriarca da família Don Corleone (pelo qual ele ganharia o prêmio de Melhor Ator), e também Al Pacino como Michael Corleone, um personagem que vagarosamente evoluiu de um desejo de se afastar dos negócios da família para assumi-los quando ficou claro que seu pai seria assassinado após as tentativas falhadas. Evans, que aceitou o trabalho difícil após sua carreira como ator, tinha suas próprias dificuldades, enquanto o estúdio estava correndo risco de fechar suas operações. Tinha também as discussões nada fáceis com mafiosos reais que não estavam muito contentes em ter seus negócios sujos divulgados por um grande estúdio de cinema.

“Apesar de toda a loucura da produção, e contra todas as probabilidades, um filme clássico aconteceu”, disse Levinson. As histórias de por trás das cenas são umas que ouço a muitos anos pelo Peter Bart, meu chefe por 20 anos na Variety (e às vezes coautor numa coluna ocasional sobre filmes). Bart foi afastado do New York Times para se tornar o segundo executivo de criatividade do Evans, e ele estava no centro de todas essas gloriosas discussões.

Será muito interessante ver quem Levinson escolheu para interpretar Bart. Falando nisso, Robert Duvall (Tom Hagen), James Caan (Sonny Corleone), John Cazale (Fredo), Talia Shire (Connie Corleone), Diane Keaton (Kay Corleone) e todo o elenco fantástico. Mas o filme claramente foca nos colapsos entre produtores e diretor do filme e o chefe do estúdio que precisava desesperadamente de um sucesso.

Além do Oscar para Brando — que famosamente boicotou a cerimônia e mandou Sacheen Littlefeather em seu lugar para aceitar o prêmio, uma ativista apache pelos direitos de Nativos Americanos, como forma do ator protestar contra como Hollywood retratava nativos americanos e a discussão acerca de Wounded Knee — o filme ganhou Melhor Filme e outro por Melhor Roteiro Adaptado para Puzo e Coppola. É um terreno rico para um filme para quem ama filmes. Ben Affleck está dirigindo algo similar em um filme sobre a produção de Chinatown.

Para sua parte, Coppola já aprovou. Ele disse: “Qualquer filme que Barry Levinson faz sobre qualquer coisa, será interessante e digno!”

Mike Marcus da Echo Lake, que já viu várias versões de dramas de por trás das cenas ao se fazer um filme como agente principal na CAA e chefe de estúdio da MGM, disse: “Estava aqui um homem jovem que vivia fora do sistema e a cada passo que dava o sistema dizia pra ele, ‘Você não pode fazer isso.’ Mas o Francis nunca desistiu da sua visão e o resultado fala por si próprio.”

Isaac é representado pela WME e pela Inspire Entertainment; Gyllenhaal e Levinson pela WME.


Fonte: Deadline
Tradução & Adaptação: Equipe Jake Gyllenhaal Brasil

Jake Gyllenhaal fará sua estreia na TV estrelando e produzindo a minissérie ‘Lake Success’ para a HBO. Baseada no livro de Gary Shteyngart, Lake Success, gira em torno de Barry Cohen (Gyllenhaal), um narcisista, auto-iludido e divorciado que foge de sua família e vai em busca de sua namorada do colegial atrás de uma última chance de redenção romântica. Enquanto isso, em Manhattan, sua ex-esposa, Seema, luta para criar seu filho autista e inicia um caso amoroso.

Shteyngart vai adaptar o livro para a série e co-escrever o roteiro ao lado de Tom Spezialy (The Leftovers). Ambos assumirão a posição de showrunners e também produzir ao lado de Jake e Riva Marker.

“O livro de Gary é um estudo de personagens bem executado que destaca a profundidade da contradição e complicação humana, tendo como pano de fundo a América de hoje. Estamos muito felizes em fazer parceria com a HBO, que sempre foi casa para alguns dos conteúdos premium mais emocionantes e aclamados nas últimas duas décadas”, comenta Jake e Riva Marker da Nine Stories.

Lake Success ainda não tem data prevista para estreia.


Fonte: Variety
Tradução & Adaptação: Equipe Jake Gyllenhaal Brasil

De acordo com a Variety, Jake Gyllenhaal e Riva Marker produzirão pela Nine Stories, em conjunto com Anna McLeish e Sarah Shaw do Carver Films o filme de drama Relic. Anthony Russo, Joe Russo e Mike Larocca serão os produtores executivos, financiado pelo estúdio deles, AGBO, com Screen Australia e Film Victoria.

Natalie Erika James está fazendo sua estreia como diretora. Ela irá se guiar a partir de um roteiro que escreveu em parceria com Christian White sobre três gerações de mulheres — filha, mãe e avó — que são assombradas pela manifestação de demência senil que percorre pela família. “Relic foi inspirado na experiência da minha própria família com a doença de Alzheimer e a mudança na dinâmica familiar quando temos que lentamente começar a cuidar de nossos pais,” disse James. “Na essência, o filme explora o medo e o desespero causados pela demência e pelo envelhecimento através de uma lente de terror.”

Gyllenhaal e Marker elogiaram o curta Creswick de James por capturar suspense e terror. Eles adicionaram “Estamos entusiasmados por ela ter um espaço maior em “Relic” para trabalhar com esse grupo estelar de atores.”

Emily Mortimer, Robyn Nevin e Bella Heathcote estrelarão o drama que começará a produção na semana que vem em Victoria, Austrália.


Fonte: Variety
Tradução & Adaptação: Equipe Jake Gyllenhaal Brasil