Arquivo de Homem-Aranha: Longe de Casa



Não é fácil ser o novo cara a entrar no universo de super-heróis. Jake Gyllenhaal descobriu isso vestindo seu elaborado e extremamente pesado (20 quilos) uniforme para interpretar Mysterio em seu primeiro filme Marvel, Homem-Aranha: Longe de Casa.

Com o peitoral aceso deslumbrantemente por baterias de lítio e uma capa do nível de Game of Thrones, a fantasia de ponta necessitava de quase uma hora para estar completamente armada. Não tinha nenhuma solução rápida se a natureza chamasse durante as longas horas de filmagens.

Enquanto isso, o co-protagonista Tom Holland, em seu segundo filme solo e quinta aparição como Homem-Aranha, teve modificações estratégicas com zíper feitas em seu traje heroico para esses momentos especificamente. “É uma das falhas no meu primeiro traje, que falta zíper para ir ao banheiro, uma coisa que o Tom pode te dizer como é importante,” conta Gyllenhaal, que continua. “Está tudo certo. Você regula a ingestão de água ao longo do dia.”

Isso que dá contratar um profissional como Gyllenhaal para estrelar como o vilão de longa data dos quadrinhos, Mysterio, que vai contra seu tipo ao se unir para salvar o mundo com o atirador de teias em ‘Longe de Casa’. Uma vez que o ator indicado ao Oscar se comprometeu a interpretar o super-herói, ele ia arrasar, com imperfeições no uniforme e tudo mais. E se existiram longas discussões no nível de ‘Hamlet’ nas quais ele ponderava juntar-se ou não ao universo da Marvel aos 38 anos, dentre uma das carreiras mais ambiciosas e indefiníveis de Hollywood, Gyllenhaal não irá mostrar.

O momento só parecia ser o certo, e a oportunidade perfeita se apresentou, conta um tranquilo Gyllenhaal, relaxado em um sofá no pátio do Hotel Four Season. O ator somente aparenta uma intensidade, com contato visual total enquanto explica seu interno debate final pré-Mysterio. “Ao pensar sobre um personagem como esse, você sempre tem que agarrar a ideia que provavelmente você será chamado assim nas ruas. Então eu tive que fazer uma pergunta simples: É esse um nome que eu quero que seja berrado quarteirão abaixo? E eu pensei, ‘Sim.’” Gyllenhaal diz, explodindo em risadas, “Se alguém gritar, ‘Mysterio!’ Eu na verdade não tenho que olhar porque todo mundo vai achar que o cara é meio doido de qualquer jeito. Posso só continuar andando.”

Ele não deveria ter tanta certeza disso. ‘Longe de Casa’ até oferece uma explicação para o nome de atração de circo. Após o super-herói desconhecido aparecer em Veneza, Itália, para lutar com um monstruoso elemental da água, os noticiários italianos o apelidam de ‘Mysterio’.

Mysterio, que tem como nome real Quentin Beck e que vem de um universo alternativo, imediatamente preenche o dolorido vazio paterno de Peter Parker após a saída do Tony Stark de Robert Downey em Vingadores: Ultimato. O diretor Jon Watts diz que desenvolveu esse tema crucial durante as filmagens, baseado na química palpável entre Gyllenhaal e Holland, 23.

Uma das cenas de ‘Longe de Casa’ mostra Gyllenhaal assustadoramente parecido com Stark ao colocar os óculos de sol do bilionário.

“Jake podia quase que se transformar nele,” diz Watts. “Era surreal, a metamorfose.”

Gyllenhaal e Downey são amigos de longa data. Na verdade, Gyllenhaal estava trabalhando no filme de 2007 Zodíaco com Downey enquanto o ator, previamente perturbado, estava prestes a aceitar o papel de super-herói que mudou a indústria.

“Robert tinha me contado que ia fazer esse filme do ‘Homem de Ferro’”, diz Gyllenhal, que estava animado em presenciar o perfil de Hollywood de Downey explodir com o novo papel. “Ver alguém que estava quase perdido em um período virar uma das maiores estrelas do mundo e ter isso acontecendo em um período tão curto de tempo. Uma das maiores lições que aprendi presenciando isso é que você nunca sabe quem vai estar, onde e quais oportunidades elas vão receber. Até mesmo no momento mais próximo.”

Gyllenhaal está aproveitando ao máximo esse momento. Ele e Holland começaram seu próprio bromance público para apoiar a relação existente entre eles no filme. “Eu realmente gosto do cara,” diz Gyllenhaal. “E ele é um ótimo ser humano, não sou o único que pensa isso.”

Ademais, Gyllenhaal é capaz de incorporar sua curiosidade intelectual, seu superpoder de atuação, em todos os aspectos do Mysterio. Ele até ponderou sobre a barba do Mysterio, um passo além do personagem dos quadrinhos. “Jake e eu passamos horas e horas e horas discutindo a barba, o comprimento, o maxilar. Teve muito papo de barba,” conta Watts.

Gyllenhal não discute totalmente seus motivos em introduzir outra barba no Universo Cinemático da Marvel, o que não é pouca coisa. “Há motivos para isso. Motivos que não posso elaborar agora,” ele diz. “Mas, sim, (a barba) teve que ser aprovada por um monte de pessoas.”

Existe muito que Gyllenhaal diz ter amado explorar. Como o nome sugere, Mysterio é um personagem complexo com várias camadas. Discuti-las revelariam spoilers gigantes. Mas foi satisfatório retirá-las.

“Tem motivos para eu amar esse personagem, e os motivos pelos quais eu amo o personagem serão revelados. Foi por isso que eu quis interpretá-lo,” diz Gyllenhaal, que se apoia na expressão facial mais comicamente exagerada enquanto levanta as mãos em um movimento de “me ajudem” tentando parar o que parece ser uma linha básica de questionamentos. “Têm tantas coisas acontecendo com o Mysterio. Mas é uma coisa complicada de se falar sobre.”

É suficiente dizer que o amor de Gyllenhaal pelo papel floresceu juntamente com sua fantasia complicada. Se Mysterio retornar para um bis, terão upgrades, promete Watts. “Da segunda vez o uniforme sempre melhora,” ele diz.

Mesmo enquanto Gyllenhaal caminha para novas jornadas dramáticas, preparando-se para as apresentações na Broadway de Sea Wall/A Life que iniciam em Julho e indo até London’s West End na próxima primavera com Sunday in the Park with George, ele tem os pensamentos felizes da batida de “Disco Inferno” que ele podia acender em seu peitoral.


Fonte: USA Today
Tradução & Adaptação: Equipe Jake Gyllenhaal Brasil

Durante a press tour de Homem-Aranha: Longe de Casa, Jake Gyllenhaal concedeu entrevistas para vários portais, emissoras e rádios. Em nosso canal no youtube, vocês podem encontrar entrevistas legendadas do ator sozinho, e aqui no site faremos posts com entrevistas transcritas nas quais ele aparece acompanhado de algum colega do elenco.

Neste post, vocês podem conferir três entrevistas transcritas – dentre elas o Q&A com o elenco e equipe do filme:

PRIMEIRA PARTE (3:22 – 4:35)

D: Cara, é muito bom te ver!

J: Bom te ver também!

D: Uau! Você me surpreendeu!

J: É?

D: Nós conversamos ao longo dos anos. E na verdade eu até te conhecia antes, quando eu estava fazendo rádio. Então, te ver nesse papel eu fiquei apenas “Meu cara”. Arrebentou!

J: Obrigado, cara.

D: É um papel diferente pra você. O que te atraiu para isso?

J: Sabe, tem várias coisas que me atraíram pra isso. Eu acho que, principalmente… eu amo a perspectiva que é diferente dos quadrinhos. Ele é um vilão nos quadrinhos, porque ele é um pouco mais obscuro que muito dos outros personagens icônicos no universo da Marvel. Isso me permitiu fazer algumas coisas e permitiu que a Marvel fizesse algumas coisas que as pessoas não necessariamente esperariam, sem sentir enganadas. Então, eu amo esse herói e eu amo que ele une forças com o Homem-Aranha e eu amo todo o conceito disso e isso me animou. O traje é incrível, e eu estava um pouco receoso quanto ao capacete de aquário e o que eles fariam, mas quando nós finalmente decidimos como ficaria e particularmente como apareceria e desaparecia, e todas essas coisas, eu pensei “Isso é ótimo!”

SEGUNDA PARTE (7:26 – 8:32)

D: Quais são as coisas boas e ruins do traje? Eu sempre pergunto para os atores essa pergunta, e nós nunca tivemos a oportunidade de falar sobre esse tipo de papel para você.

J: Eu amei a minha roupa. Eu tenho que dizer, cara, se você já puder me dar tipo 50% a 75% do meu personagem e eu não tenho nem que me preocupar, eu estou dentro! É isso que o traje faz e eu amei. Eu amei vesti-lo. Estava tão quente no último verão quando estávamos gravando, mas eu também amo suar – é algo ótimo –, então eu estava permanentemente suando nessa roupa, que é algo que estranhamente eu gostei. Eu achei que foi tão legal. Talvez ao longo do tempo, se eu tivesse que vestir de novo e tal, eu teria uma opinião diferente em relação a isso, mas os figurinistas, as pessoas que me ajudaram a colocar a roupa diariamente foram ótimas, nós ficamos especialistas nisso, e assim, dessa forma, eu amei, eu realmente amei. Mas eu tipo, estou disposto a fazer essas coisas, eu sinto que sou uma criança novamente quando eu coloco o traje, e alguns dos papéis que eu interpretei são muito sérios e tem muitas coisas que eu mudei fisicamente e esse é apenas… foi divertido.

JAKE: Não sei se eu conseguiria decorar.

SAM: Não precisa, tem monitores no carro.

J: Eles têm?

S: Sim, eles têm. Tem na frente, tem do lado. Daí você consegue ler como se estivesse olhando no retrovisor. As letras estão bem ali.

ENTREVISTADORA: Você está estragando a ilusão.

J: Daí nem é você cantando.

E: 18 anos atrás você protagonizou um filme chamado “Jimmy Bolha”…

J: Sim!

E: Você alguma vez pensou que iam te colocar de novo dentro de uma bolha?

J: Sim.

E: Você pensou que sim?

J: Sim, pensei. Eu estava ansioso por esse momento, na verdade. E as pessoas fazem isso o tempo todo comigo, falando figurativamente. Mas não, eu não fazia ideia, e foi uma coincidência perfeita, e acho que bolhas me seguem por aí, e chega um ponto em que você se rende, e eu fiz isso. Eu estava preocupado com a coisa do aquário, eu não sabia totalmente o que eles iam fazer com aquilo, eu confio na Marvel, mas é uma coisa difícil de se fazer, sabe? Quando você olha para os quadrinhos, mas eles conseguiram, conseguiram mesmo.

E: Bom, eles mencionaram que parte do roteiro estava apagado para se manterem os segredos, isso aconteceu com vocês ou foi só com o Tom?

J: Eu pude ler o roteiro inteiro, mas às vezes, quando eu paro para pensar, eu vi algumas cenas que talvez não estivessem lá, mas ao mesmo tempo tem cenas que eles gravam em momentos diferentes que a gente nem… você pode ler o roteiro e daí eles pensaram em algo novo.

E: Peter perdeu seus pais, seu tio e agora seu mentor. Tem espaço para um novo mentor, você acha que o Mysterio está ocupando esse lugar de alguma maneira?

J: Sim, sim, eu acho que… o Tom gosta de dizer que ele é como seu irmão mais velho. E, sabe, eu estava indo na direção de tio, mas eu aceito irmão. Mas eu acho que é assim a relação, eles compartilham muito da mesma história, sabe, e ambos foram surpreendidos. Quero dizer, Mysterio meio que aparece e não sabe onde está, e do nada tem essa criança usando um traje, e eles tem que lutar juntos, o que é uma surpresa para ele – ele foi surpreendido com essa ideia. Mas sim, eu acho que eles acabam compartilhando muito dos mesmos interesses e, também, muito da mesma história e ele acaba… E também que o Mysterio já passou por muita coisa na vida, e acho que ele pode falar para ele (Peter) que “você deveria ir fazer as coisas com as quais você se importa, mas o mundo precisa de você, mas você precisa ser você mesmo”.

P: Jake, qual a sensação de fazer parte do Universo Cinematográfico da Marvel?

J: É uma honra. É tão legal fazer parte desse filme em particular, porque é como se fosse um acréscimo ao que o Tom disse antes. Eu vi o primeiro filme e o achei ótimo, tão engraçado e cheio de ação, mas esse filme é 10 vezes maior. É um filme enorme. É incrivelmente grande. É incrível. Então, fazer parte disso é muito animador, e me juntar com todo mundo, pessoas que eu admiro e que eu amei trabalhar, é ótimo.

SAM: E agora que o Tony Stark se foi nós precisamos de um novo orador. (risos)

P: O que te atraiu mais em interpretar o Mysterio?

J: Bom, eu acho que a perspectiva dos quadrinhos para o filme é diferente, sabe. E eu amo que ele se junta ao Homem-Aranha e que o Nick Fury meio que faz eles se conhecerem e por causa disso eles percebem que tem muito em comum. E eu amo a ideia de que eles se juntam e viram amigos, se tornam heróis juntos, que é tão diferente do que as pessoas esperariam. E eu realmente amo o traje. O traje era doce, sentimental e (brincadeira com o que foi dito antes por Jacob Batalon)

JACOB BATALON: Eu disse fofo, sentimental e doce.

P: Qual foi a cena mais difícil de gravar?

TOM: Eu achei, para nós, as cenas como os hologramas meio difíceis. As cenas em que estávamos olhando para hologramas e, obviamente, eles não reais. E haviam 4 ou 5 de nós olhando para a mesma coisa e eu ficava olhando para os olhos do Jake, tipo “pra onde ele está olhando? Ah, sim, estou vendo o que você está vendo.”

J: Foi minha primeira vez com hologramas também, então na primeira vez, na primeira tomada enquanto eu estava descrevendo, eu lembro que eu não fiz nada e o Jon estava tipo “Foi ótimo, mas tem esses hologramas girando por tudo” “onde eles estão girando?” “não tenho certeza de onde eles estão girando, só olhe” e eu estava meio “está bem”

JON: A gente os coloca pra onde vocês estiverem olhando, mas vocês estavam olhando cada um pra uma direção diferente.

J: “São todas criaturas elementais” e ele “talvez faça movimentos um pouco menores da próxima vez”.

Nosso site e canal serão atualizados com mais entrevistas, então fiquem ligados!

Tradução & Adaptação: Equipe Jake Gyllenhaal Brasil

Começando a divulgação de Homem-Aranha: Longe de Casa, Jake Gyllenhaal e Tom Holland participaram da CONQUE México. Confira o vídeo e a tradução:

ENTREVISTADOR: Eu sei que é meio que sua primeira vez no México, primeira vez comendo tacos?

JAKE: Não, não, definitivamente não é minha primeira vez comendo tacos, mas eu já estive no México algumas vezes, mas nunca nessa área e em Mexico City, então acho que é minha primeira vez comendo tacos de verdade.

ENTREVISTADOR: Jake, muito bom te ter aqui, e eu queria saber como você se sente em fazer parte do universo do Homem-Aranha?

JAKE: É uma honra, uma imensa honra interpretar o Mysterio e trabalhar com esse cara. É uma honra estar aqui no México, vocês são os melhores fãs, tivemos uma resposta incrível de vocês, tudo incrível.

ENTREVISTADOR: O que você podem nos contar do filme?

TOM: É um filme…

JAKE: Tem pessoas no filme. Tem coisas que acontecem no filme.

TOM: Coisas que são muito divertidas.

ENTREVISTADOR: Jake, como você conseguiu o papel?

TOM: Ele me implorou pelo papel.

ENTREVISTADOR: Quantos tacos ele teve que te comprar para conseguir o papel?

TOM: Infinitos.

JAKE: 3000. Bom, é uma história engraçada porque eu sabia que esse filme estava sendo produzido e ninguém tinha me oferecido nenhum papel e eu encontrei o Tom em um restaurante, meio que o universo nos uniu, a gente não se conhecia, e quando a gente se conheceu pela primeira vez eu falei “cara, eu adoraria trabalhar com você”, e daí, estranhamente, apenas algumas semanas depois eles me ofereceram esse papel no filme e não muito tempo depois estávamos trabalhando juntos. Então foi assim que aconteceu.

ENTREVISTADOR: Nada a ver com você (Tom) fazendo algumas ligações ou algo assim?

JAKE: Você está colocando-o numa situação muito difícil.

TOM: É engraçado porque quando a gente se conheceu no restaurante, a Sony e a Marvel já tinha me falado que o Jake era a escolha número um deles, mas quando ele estava tipo “vamos trabalhar juntos” eu não sabia se ele já sabia e eu fiquei “será que ele sabe? Ah ele não sabe ainda!”

ENTREVISTADOR: E seu traje Jake? Era confortável?

JAKE: Meu traje… bom eu tenho uma capa no meu traje e ela precisava ser parafusada na placa do meu peito. Então todo mundo sabia que estávamos nos arrumando e era de começar a filmar quando ligavam a furadeira e fazia tipo (barulho de furadeira) no meu peito. E eu tinha um conjunto de baterias porque tinham luzes no meu traje que ficavam ligadas e às vezes as baterias entravam em curto e eu tinha tipo uma balada pelo meu corpo todo.

ENTREVISTADOR: Tom, você deu algum conselho pro Jake antes de começarem?

TOM: Vários, não, na verdade não né?

JAKE: Bom, você entra pro mundo da Marvel, e é um mundo enorme com uma sequência grande, e tem todas essas coisas que te contam, e coisas que não te contam, e tem essas cenas bem tensas e era excelente, porque o Tom estava lá e ele é muito parecido com seu personagem como pessoa, ele é muito altruísta. E no primeiro dia e eu estava meio “O que está acontecendo!” e ele estava tipo “Não se preocupe, irmão, vai dar tudo certo, se tiver qualquer pergunta…” e ele ficou lá por pelo menos umas duas semanas me dizendo que estava tudo tranquilo. Então, obrigado por tudo irmão.

ENTREVISTADOR: Minha pergunta é pro Jake, como foi a preparação pro papel do Mysterio?

JAKE: Bom, eu passei um ano aprendendo a voar, ainda estou tentando decifrar isso. E eu nasci com a habilidade de atirar laser verde pelas minhas mãos, então essa foi a preparação. Isso foi uma vantagem! Quando eles estavam fazendo audições, estavam, na verdade, procurando atores que conseguissem atirar raios verdes pelas palmas. Ainda bem que me encontraram.

ENTREVISTADOR: Jake, você já era fã do Mysterio antes do filme?

JAKE: Sabe, na verdade eu sabia muito pouco sobre o Mysterio antes do filme. Ele não é um dos grandes personagens que todo mundo conhece, e é isso que eu amo nele… porque deu pra gente a oportunidade de fazer umas coisas novas com ele, que eu acho que vão realmente surpreender as pessoas, então isso é muito, muito animador.

ENTREVISTADOR: Qual foi a primeira impressão que vocês tiveram um do outro?

TOM: Para mim o Jake… eu sempre quis trabalhar com ele, ele sempre foi um dos atores que eu admiro e eu queria muito trabalhar com ele, então quando a Marvel e a Sony tiveram essa ideia e falaram “O que você acha de ser o Jake Gyllenhaal?” eu falei “Isso é ótimo, uma ideia perfeita”. Então eu estou muito feliz que o Jake aceitou e que a gente fez o filme juntos, e eu aprendi muito sobre isso trabalhando com o Jake. É um sonho se tornando realidade.

JAKE: Qual foi a minha primeira impressão do Tom? Olha, quanto vocês amam o Tom Holland? Isso? Só isso? Eu amo ele 3000 vezes mais do que isso. Quando eu o conheci, ele é um ser humano tão bom, uma pessoa muito boa, ele é aberto, pronto para se conectar, fazer as cenas, e como pessoa ele é do mesmo jeito, então essa foi a primeira impressão que eu tive. Desde o primeiro momento que o conheci sabia que ele era um ótimo cara, e daí meio que foi tudo ladeira abaixo…

ENTREVISTADOR: Qual vilão da Marvel vocês gostariam de interpretar, sem contar o Mysterio?

TOM: Bom, ele não é vilão. Ele é um herói no filme, ele é meu novo melhor amigo! Mas eu seria o Loki, é o vilão que eu mais gosto.

JAKE: Se eu pudesse interpretar qualquer vilão? Acho que Thanos.


Tradução & Adaptação: Equipe Jake Gyllenhaal Brasil

Na manhã desta terça-feira, 15, foi divulgado – finalmente – o teaser trailer de Homem-Aranha: Longe de Casa e podemos ver pela primeira vez Jake Gyllenhaal caracterizado e em ação como Mysterio. Confira:

Homem-Aranha: Longe de Casa chega aos cinemas brasileiros em 4 de Julho.